terça-feira, 22 de julho de 2008

LIBERDADE ! FÉRIAS ! SEM NADA A FAZER ! DESCANSO MERECIDO !

eu vou para onde o SOL é mais presente, onde o mar me faz relaxar, onde eu possa esquecer de tudo, e curtir uma semana de descanso !
Esta é uma vista aérea de Marataízes, local escolhido para retirada ESTRATÉGICA !

Olá galera que acessa ao meu blog, nesta semana, e na que vem, estarei curtindo um descanso merecido com meus familiares : Anriet, Daniel e Izabella. Vamos curtir uma praia !
será uma semana de descanso total, sem preocupações com trabalhos e outros afazeres que sempre me deixam atento aos fatos pelo mundo afora !
Deixei uma publicação com
OS 34 FATOS QUE EM MINHA OPINIÃO FORAM MARCANTES NESTE ANO DE 2008 !
PARTICIPE, ESCOLHA QUAL DELES MAIS CHAMOU SUA ATENÇÃO, E APROVEITE, DÊ SUAS DICAS!
EU VOU REFORMULAR MEU BLOG !
AGUARDEM !
UM ABRAÇÃO, MARIO FERNANDO DE MORI

ESCOLHA E COMENTE O QUE MAIS TE CHAMOU A ATENÇÃO !

TEMA 01 : O CASO ISABELLA NARDONI !
VIOLÊNCIA FAMILIAR TEM DE ACABAR !
DENUNCIE !

TEMA 02 : VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES ! DENUNCIE !




TEMA 03: A PRÁTICA DO TRABALHO INFANTIL E ESCRAVO EXISTE NO BRASIL !
ONDE ESTÁ A JUSTIÇA CONTRA ESSA PRÁTICA ABOMINÁVEL ?

TEMA 04 : MAIS IMAGENS DO TERREMOTO NA CHINA ! ASSUSTADOR E COMOVENTE !


TEMA 05 : O TERREMOTO NA CHINA ASSUSTOU O MUNDO ! NOS CONVIDA A REPENSAR SOBRE NOSSA MANEIRA DE TRATAR A NATUREZA !


TEMA 06 : QUAL DOS DOIS SERÃO MELHORES DO QUE O "BUSH" ?
QUAL DELES TRATARÃO OS TEMAS GLOBAIS COM MAIS RESPEITO E RESPONSABILIDADE ? SEM AVENTURAS BÉLICAS ?

TEMA 07 : AS QUEIMADAS NA AMAZÔNIA CONTINUAM !
E O GOVERNO O QUE É QUE FAZ ?

TEMA 08 : TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PRENDE ACUSADO DE PRÁTICA DE GENOCÍDIO, OU LIMPEZA ÉTNICA !
AINDA É POSSÍVEL CONFIAR NA JUSTIÇA ?

TEMA 09 : OPERAÇÃO SATIAGRAHA !
MUITAS DENÚNCIAS !
E A CORRUPÇÃO CONTINUA A TERMINAR EM PIZZA !

TEMA 10 : A PEDOFILIA NOS ASSUSTA !
QUE OS CULPADOS SEJAM CONDENADOS E TRATADOS !
DENUNCIE !

TEMA 11 : RESERVA É DOS ÍNDIOS E QUE ELES POSSAM VIVER NELAS COM DIGNIDADE E RESPEITO !

TEMA 12 : A OBESIDADE E A FOME ESTÃO ENTRE AQUELES TIPOS DE PROBLEMAS QUE MAIS NOS ASSUSTAM !
SÃO AS CONTRADIÇÕES DO MUNDO ATUAL !

ESCOLHA E COMENTE O QUE MAIS TE CHAMOU A ATENÇÃO !

TEMA 13 : A FOME SE ESPALHA PELO MUNDO !
E OS PAÍSES RICOS CONTINUAM A SE PROTEGER DOS PAÍSES POBRES !
SALVE A LIBERDADE DE MERCADO !


TEMA 14 : A FOME NO MUNDO ESTÁ CADA DIA MAIS NOS ALERTANDO E NOS DEIXANDO PERPLEXOS !


TEMA 15 : A TERRA PEDE SOCCORO ! AQUECIMENTO GLOBAL, PROBLEMAS AMBIENTAIS EM TODOS OS CONTINENTES : QUEM NOS SALVARÁ ?


TEMA 16 : OS "INIMIGOS" DOS EUA: O EIXO DO MAL : IRÃ E CORÉIA DO NORTE !

TEMA 17 : A MÍDIA É CÚMPLICE DE SITUAÇÕES QUE NOS AFETAM !
O QUE A IMAGEM SUGERE ?
TEMA 18 : O QUE NÓS TEMOS A PAGAR COM A CRISE NA ECONOMIA DOS EUA ?
DE NOVO !? ATÉ QUANDO ?
TEMA 19 : LIBERTAÇÃO DE ÍNGRID BITTENCOURT !
CENA MAIS EMOCIONANTE DO SEMESTRE !
VIVA A LIBERDADE !
TEMA 20 : A QUARTA FROTA NORTE-AMERICANA NAS AMÉRICAS : INVASÃO !
E NOSSA LIBERDADE ?
TEMA 21 : QUE A EPIDEMIA DE DENGUE SEJA VISTA POR TODOS, E QUE TODOS LUTEM CONTRA !
TEMA 22: OLIMPÍADAS E A REPRESSÃO NO TIBET !
A CELEBRAÇÃO DA PAZ, OU DA VIOLÊNCIA ?

TEMA 23 : BUSH CHORÃO ! LÁGRIMAS DE CROCODILO, OU ARREPENDIMENTO ?
TEMA 24 : LUGARES ONDE OS ATENTADOS TERRORISTAS PODERÃO ESTAR ATUANDO, OU ATUARÃO !

ESCOLHA E COMENTE O QUE MAIS TE CHAMOU A ATENÇÃO !

TEMA 25 : PESQUISAS CÉLULAS TRONCO EMBRIONÁRIAS : A POLÊMICA PERSISTE !
TEMA 26 : AS TENTATIVAS DOS SUL AMERICANOS DE INTEGRAÇÃO: UNASUL, ALBA, MERCOSUL, COMUNIDADE ANDINA,...



TEMA 27 : A AMAZÔNIA É NOSSA, AFIRMOU O PRESIDENTE LULA . NOSSA DE QUEM ?


TEMA 28 : CONFLITOS ENTRE JUDEUS E PALESTINOS ! ATÉ QUANDO ESTARÃO SE MATANDO, SE ODIANDO EM UMA LUTA SEM IGUAL ?


TEMA 29 : DARFUR, OESTE DO SUDÃO PEDE SOCORRO ! SALVEM OS REFUGIADOS DESTE CONFLITO SANGRENTO !


TEMA 30 : CAOS NO TRÃNSITO NO BRASIL : VENDAS DE CARROS AUMENTAM, E O SISTEMA RODOVIÁRIO VIVE UM APAGÃO !


TEMA 31 : OS CONFLITOS NO CONTINENTE AFRICANO
SANGRAM VÁRIOS POVOS E LUTAS TRIBAIS


TEMA 32 : O FLUXO DE IMIGRANTES
CONTINUA DIRECIONADO PARA OS PAÍSES MAIS RICOS !

TEMA 33 : O BRASIL MUDOU SEU FUSO HORÁRIO, ACIMA COMO FICOU AGORA !

TEMA 34: GLOBALIZAÇÃO E A EXCLUSÃO !
COMENTÁRI QUE FAREI, SERÁ A LETRA ABAIXO:

Globalização - (O Delírio de Dragão) Tribo de Jah

Globalização é a nova onda
O império do capital em açãoFazendo sua rotineira ronda
No gueto não há nada de novo
Além do sufoco que nunca é pouco
Além do medo e do desemprego, da violência e da impaciência
De quem partiu para o desepero numa ida sem volta
Além da rovolta de quem vive as voltas
Com a exploração e a humilhação de um sistema impiedoso
Nada de novo
Além da pobreza da tristeza de quem se sente traido e esquecido
Ao ver os filhos subnutridos sem educação
Crescendo ao lado de esgotos, banidos a contragosto pela sociedade
Declarados bandidos sem identidade
Que serão reprimidos em sumária execução
Sem nenhuma apelação
Não há nada de novo entre a terra e o céu
Nada de novo
Senão houver o dragão e seu tenebroso véude destruição e de fogo
Sugando sangue do povo,
De geração a geração
Expeculando pelo mundo todo
É só o velho sistema do dragão
Não, não há nenhuma ilusão, ilusão
Só haverá mais figuração, figuração
Os dirigentes do sistema impõem seu lema:
Livre mercado mundo educado para consumir e existir sem questionar;
Não pensam em diminuir ou domar a voracidade
E a sacanagem do capitalismo selvagem
Com seus tentáculos multinacionais querem mais,
e mais, e mais...Lucros abusivos
Grandes executivos são seus abastados serviçais
Não se importam com a fome, com os direitos do homem
Querem abocanhar o globo, dividir em poucos o bolo
Deixando migalhas pro resto da gentalha, em seus muitos planos
São vêem seres humanos e os seus valores,
só milhões e milhoes de consumidores
São tão otimistas em suas estatísticas e previsões
Falam em crescimento, em desenvolvimento por muitas e muitas gerações
Não sentem o momento crítico, talvés apocaliptico
Os tigres asiáticos são um exemplo típico,
Agora mais parecem gatinhos raquíticos e asmáticos
Se o sistema quebrar será questão de tempo
Até chegar o desabastecimento e o racionamento
Que sinistra situação!
O globo inchado e devastado pela superpopulação
Tempos de bavária então virão, tempos de exitos e disperção
A água pode vir a uruu!
O rango um rico tesouro
Globalização é uma falsa noção do que seria a integração,
com todo respeito a integridade e a dignidade de cada nação
É o infeliz do grande capital,
O poder da grana internacional que faz de cada país apenas mais um seu quintal
Com o poder do dinheiro movendo o mundo inteiro,
E agora:
Ricos cada vez mais ricos e metidos
Pobres cada vez mais pobres e falidos
Globalização, o delírio do dragão!

segunda-feira, 21 de julho de 2008

DOHA: EUA PROMETEM NOVA PROPOSTA PARA CORTE DE SUBSÍDIOS !


A principal voz americana em negociações comerciais disse nesta segunda-feira 21 DE JULHO, que os Estados Unidos estão prontos para apresentar uma nova proposta para o corte de seus subsídios agrícolas - uma das maiores exigências dos países em desenvolvimento para avançar com as negociações para a liberalização do comércio global.
"Sabemos que temos que fazer muito mais contribuições e o faremos. Os Estados Unidos têm uma posição de liderança total e manterão essa posição", afirmou a representante comercial norte-americana, Susan Schwab, antes do início de negociações entre ministros de mais de 35 países membros da Organização Mundial do Comércio (OMC), em Genebra.
A reunião, no âmbito da Rodada Doha, está sendo considerada crucial porque, na falta de um acordo agora, as negociações serão dificultadas pelas eleições presidenciais nos Estados Unidos, em novembro, e pelas eleições européias, em junho de 2009.
Schwab admitiu que, no papel de líder mundial, os Estados Unidos têm a "responsabilidade" de ir além do que já ofereceram, mas ressaltou que também espera novas propostas dos demais países, "inclusive dos países em desenvolvimento mais importantes".
"Nenhum país ou dois, sozinhos, serão capazes de concluir a Rodada com sucesso, sem o compromisso ativo e a contribuição de todos nossos colegas", disse Schwab. "Todos sabemos que teremos que fazer escolhas duras."
No sábado, o ministro brasileiro das Relações Exteriores, Celso Amorim, criticou os subsídios nas negociações da Rodada Doha e ressaltou que a atual proposta permitiria aos Estados Unidos conceder até US$ 13 bilhões em ajudas a seus agricultores, o dobro da atual cifra de cerca de US$ 7 bilhões.
Para Schwab, a posição dos Estados Unidos em relação aos subsídios agrícolas "é uma desculpa conveniente para muitos países que preferem não tocar na outra parte das negociações", como a questão do acesso a mercado para bens industriais e serviços.
Contrapartida: Os países ricos querem maiores cortes de tarifas de importação nesses setores, mas os sócios mais pobres tentam proteger um setor no qual consideram que não poderiam competir em igualdade.
"Qualquer estudo que se considere deixa claro que, em uma negociação comercial, não é com o corte de subsídios, e sim com a abertura dos mercados, que se pode contribuir mais com o crescimento e o desenvolvimento econômicos", defendeu.
De sua parte, a União Européia ofereceu reduzir as tarifas de importação para produtos agrícolas em 60% em troca de uma redução nas taxas para bens industriais e serviços nos países emergentes.
Segundo o representante de comércio da UE, Peter Mandelson, esta é a melhor oferta já apresentada pelo bloco.
Polêmica: A representante norte-americana se negou a comentar as afirmações feitas por Amorim no sábado, acusando os países desenvolvidos de utilizar táticas de comunicação nazistas para passar a mensagem de que dão mais concessões em agricultura que os demais sócios em indústria.
"Goebbels dizia que uma mentira repetida várias vezes se torna verdade. Quando eu escuto essas afirmações, não posso evitar lembrar de Goebbels", disse o chanceler brasileiro, citando o chefe da propaganda nazista durante o regime de Adolf Hitler.
A declaração foi qualificada de "infeliz" pelo porta-voz de Schwab, filha de sobreviventes do holocausto.
Hoje Schwab quis virar a página e afirmou que está em Genebra "para concluir um trabalho: conseguir um acordo de sucesso para a Rodada Doha". O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, acusou neste sábado os países ricos de manipular informações sobre as negociações da Rodada Doha, em uma estratégia que ele disse lembrar a utilizada pelo chefe de propaganda nazista Joseph Goebbels.
Segundo o ministro, líderes desses países se baseiam em fórmulas diferentes de redução de alíquotas ao se referir às negociações, o que daria a entender que as concessões que poderão fazer em agricultura são muito maiores que as que os países em desenvolvimento estão dispostos a aceitar no capítulo industrial.
"Essa é uma afirmação sob medida para aqueles que não querem fazer sua parte em agricultura”, disse Amorim, em entrevista coletiva em Genebra, às vésperas de uma reunião entre os ministros da Organização Mundial do Comércio (OMC) considerada decisiva para a rodada.
“Isso me recorda Goebbels”, disse Amorim, lembrando a máxima do oficial nazista de que uma mentira repetida muitas vezes se torna verdade.
Proposta atual: Segundo Amorim, a proposta para agricultura acabou incorporando todo tipo de exceção e privilégio para acomodar as alegadas dificuldades dos países desenvolvidos.
“O texto sobre agricultura foi escrito com a idéia de obter mais flexibilidades para os países ricos (protegerem seu mercado). Já o sobre indústria foi escrito com a idéia de obter acesso máximo ao mercado dos países em desenvolvimento.”
Amorim destacou que a proposta atual limita os subsídios para os agricultores dos Estados Unidos a US$ 13 bilhões, o dobro dos US$ 7 bilhões que o país concede atualmente.
Já o Brasil cortaria em 30% as tarifas mais altas que hoje incidem sobre a importação de bens industriais, mesmo se o país decidisse proteger alguns produtos (com as flexibilidades que permitem aos países em desenvolvimento limitar os recortes).
“Isso deve ser dito com todas as letras. Caso contrário, estamos desinformando todo o público e, freqüentemente, desinformando também os próprios líderes e não podemos ter um acordo baseado em desinformação.”
Para Amorim, o êxito dessa rodada de negociações dependerá de que os países ricos façam maiores esforços em agricultura e não tragam mais exigências ao capítulo de bens industriais, justamente o contrário do que União Européia e Estados Unidos se dizem dispostos a fazer.
Na semana passada o comissário europeu de Comércio, Peter Mandelson, disse que uma de suas prioridades em Genebra será garantir o estabelecimento de cláusulas anti-concentração na proposta para o setor industrial.
Esse mecanismo limitaria o nível de flexibilidade com o qual os países em desenvolvimento poderiam proteger determinados setores na hora de aplicar os recortes de tarifas.
“(Exigir essas cláusulas) é uma receita para o fracasso”, sentenciou o ministro.Ainda assim, Amorim garantiu que o Brasil chega à reunião disposto a entrar em um acordo.
“Se perdemos esse momento agora, provavelmente tardará três ou quatro anos, mas teríamos uma Rodada mais favorável que esta. Mas, claro, há riscos, e por isso temos uma razão sistêmica para tentar ter (um acordo) agora”.

O QUE É RODADA DE DOHA ?

A Rodada Doha é o principal elemento do comércio mundial. De fato, se trata das exaustivas negociações entre as maiores potências comerciais do mundo, com o objetivo de diminuir as barreiras comerciais, focando o livre comércio. As negociações receberam o nome de “Doha”, capital do Qatar, pois foi nessa cidade que os países começaram a discutir a abertura do comércio mundial. O principal problema da Rodada Doha, ou seja, do comércio mundial, é a preocupação de cada país na sua própria economia, esquecendo que o maior propósito de tudo isso é o combate à fome e o desenvolvimento dos países pobres. Se as nações em desenvolvimento como Brasil e Índia querem que a UE (União Européia) e os EUA (Estados Unidos da América) diminuam os subsídios (impostos) aos produtos agrícolas estrangeiros, os países desenvolvidos querem em troca, a abertura aos produtos manufaturados europeus e americanos. Todas essas questões foram grandemente discutidas nas rodadas em Cancun, Genebra, Paris e Hong Kong, porém até hoje não há um consenso mundial a respeito da abertura comercial. Recentemente, o Brasil e a Índia, as principais potências comerciais em desenvolvimento, abandonaram as negociações da Rodada Doha, levando todo o mundo à frustração e à descrença a respeito da liberação do comércio mundial, já que os principais países realizarão eleições recentemente, adiando ainda mais as esperanças de negociações futuras.

PAÍS ENVELHECE MAIS RÁPIDO DO QUE SE PREVIA !

O envelhecimento populacional brasileiro chegará antes do que se estimava. A divulgação, no início deste mês, da PNDS (Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde) mostrou que o país chegou, em 2006, a uma taxa de fecundidade de 1,8 filho por mulher. O IBGE, em sua estimativa oficial, feita em 2004, previa que esse patamar só seria atingido em 2043. A reportagem é de Antônio Gois e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 21-07-2008.
Nem mesmo projeções da ONU menos conservadoras indicavam uma taxa abaixo de 2,0 antes de 2010. Diante dessa e de outras pesquisas que registraram fecundidade menor, o IBGE revisará suas estimativas.Mais do que uma simples revisão de um cálculo estatístico, a constatação de que o Brasil terá cada vez mais idosos e menos crianças antes do previsto tem impacto em cálculos de aposentadoria e traz desafios para políticas públicas, que terão que se adaptar a uma estrutura populacional envelhecida.
A demógrafa Elza Berquó, do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento e coordenadora da PNDS, lembra que as Pnads (Pesquisas Nacionais por Amostra de Domicílios, feitas anualmente pelo IBGE) já indicavam que a fecundidade caía num ritmo mais acelerado do que o estimado pelo instituto.
Em 2004, a taxa chegou ao nível de 2,1 filhos por mulher, patamar que indica tendência de reposição populacional e que, pelas estimativas do IBGE, só seria atingido em 2014.
"O movimento de transição da fecundidade se iniciou há 40 anos e os dados recentes são coerentes com a série histórica. Não sei por que o IBGE continuou trabalhando com essa estimativa [de queda menor]. Não faço projeções, mas, a julgar por essa tendência, acho que a fecundidade continuará caindo", diz Berquó.
Fernando Albuquerque, que participou da elaboração das estimativas do IBGE, diz que o instituto projetou queda menor porque o Censo de 2000 e a Pnad de 2001 não sugeriam queda acentuada. "As Pnads de 2002 a 2006, no entanto, registraram um declínio mais rápido. Por isso, já estamos revendo a projeção para incorporar os resultados recentes."
O demógrafo José Eustáquio Alves, da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE, diz que a queda mais rápida da fecundidade indica que a população começará a diminuir antes. Pela estimativa do IBGE, isso aconteceria somente a partir de 2062. A projeção da ONU com taxas mais próximas das verificadas recentemente, no entanto, aponta que isso deve acontecer já na década de 2030.
O envelhecimento mais rápido que o estimado traz desafios ao país. Um deles é aumentar os investimentos em saúde para atender melhor aos idosos.
Previdência
Outro diz respeito ao equilíbrio das contas da Previdência. Anualmente, quando o IBGE divulga aumento da expectativa de vida, isso altera o fator previdenciário, índice que acaba aumentando o tempo que o trabalhador precisa contribuir com o INSS para se aposentar com o mesmo benefício.
Carlos Guerra, vice-presidente da Federação Nacional de Previdência Privada, diz que os impactos também serão sentidos no setor particular, que poderá absorver mais insatisfeitos com os resultados da Previdência oficial, mas que, igualmente, precisará se adaptar.
"O equilíbrio ideal é ter cinco contribuintes para cada inativo, mas já estamos nos aproximando da situação de um para um", diz Guerra. Segundo ele, planos que garantem renda vitalícia mensal perderão espaço para outros com opção de fazer um resgate maior do benefício.
Apesar dos desafios que a queda mais intensa da fecundidade trará, Eustáquio Alves alerta que não se deve trocar o mito da "explosão populacional" pelo da "implosão populacional". "Não há por que ficar apavorado com a redução da população. Ela pode ser boa ou ruim dependendo de como a sociedade e as políticas públicas respondem a isso."

GOVERNO LULA: 'UM GOVERNO VIOLINO. AGARRA COM A ESQUERDA, MAS TOCA COM A DIREITA" "

esta entrevista que você vai ler, retrata um pouco os meus pensamentos a respeito do governo Lula. Um governo VIOLINO, como muito bem denominou Gilmar Mauro, na entrevista abaixo.

Eis a entrevista.Considerado um dos principais teóricos e segundo homem do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST), Gilmar Mauro, 41 anos, entrou para o movimento ainda nos primeiros anos de existência da organização. Hoje, membro da coordenação nacional, passa a maior parte de seu tempo em São Paulo, de onde se dedica às áreas de formação e mobilizações da entidade. A reportagem e a entrevista é de Raphael Bruno e publicada pelo Jornal do Brasil, 21-07-2008.
Eis a Entrevista

O MST vem retirando a ênfase na questão da reforma agrária e do latifúndio e questionando o modelo de agronegócio brasileiro como um todo, promovendo inclusive ações contra empresas consideradas altamente produtivas. Por quê a mudança de estratégia?

O MST coloca como objetivo principal a luta pela terra e reforma agrária. E não deixou de fazer essa luta. O que mudou foram as condições objetivas. Hoje a inserção do Brasil no mercado internacional passa, em grande medida, pela exportação de commodities. Grandes empresas ligadas ao capital internacional passam a investir na agricultura, principalmente com a crise do petróleo e com a introdução do etanol como fonte energética substituta. Com a crise imobiliária nos Estados Unidos, parte dos recursos financeiros internacionais passou a ser investida na Bolsa de Mercadorias e Futuros, principalmente em commodities. Então o preço internacional desses produtos está subindo porque estão especulando em cima deles.


Essa seria a conseqüência mais nociva desse modelo de agronegócio?

Com certeza. O segundo grande aspecto é em relação à natureza. A lógica do capital é de produção de mercadorias que precisam ser vendidas. Entretanto, isso gera um impacto ambiental terrivelmente grande que só uma parcela da humanidade está se dando conta.
No caso da agricultura, um frango, do nascimento ao abate, leva hoje 38 dias, às custas de muito hormônio e antibiótico. A mesma coisa ocorre na carne bovina e suína. Despejam-se milhares de toneladas de agrotóxicos de avião. Os lençóis freáticos estão sendo contaminados. Um eucalipto, do primeiro ao sétimo ano, consome 30 litros de água por dia. Faz o cálculo. Um milhão de pés de eucalipto plantados. Ao exportar pasta e celulose, estamos exportando água. Isto está gerando desequilíbrios ambientais gravíssimos. Estudos mostram que se a humanidade toda consumisse como a classe média alta brasileira, precisaríamos de três planetas para sustentar este consumo. Se consumisse igual aos norte-americanos, precisaríamos de sete ou oito.


Mas quando o questionamento era mais restrito ao latifúndio improdutivo, aquilo tinha um apelo moral grande, era algo com base constitucional. Como o MST pretende dar a ações contra empresas produtivas o mesmo apelo?

É muito natural esse processo. Toda a lógica da mídia e do Estado trabalha essa dimensão econômica pura e simplesmente. Não interessa ao grande capital se ele está destruindo o ambiente ou o ser humano, interessa que está produzindo. Esse é o aspecto principal destacado. Queremos questionar isso. Esse caos social e ambiental que chamam de desenvolvimento. A própria Constituição brasileira estabelece a função social da terra com três ingredientes interessantes: produção, respeito à legislação ambiental e trabalhista. Ora, no corte da produção de cana, não se respeita nem a legislação ambiental nem a trabalhista. No entanto, não se aplica a lei maior do país, que é desapropriar essas empresas por descumprirem isso.


E o governo Lula prioriza esse modelo de agronegócio?

Com certeza. Insere o país internacionalmente com esse modelo e com isso sustenta-se a balança comercial. O governo Lula não tem política de reforma agrária. Nunca tivemos uma no Brasil. O que temos são políticas de compensação social, de assentamentos aqui e acolá. Não há política agrária que altere a estrutura fundiária brasileira extremamente concentrada. O ritmo de assentamentos é pequeno e não resolve. Você assenta 50 mil famílias mas desassenta 60 mil. O que melhorou foram os créditos, em termos de volume.


O segundo mandato de Lula, então, estaria sendo pior que o primeiro?

O governo Lula adotou como continuidade a política neoliberal do Fernando Henrique Cardoso, com mudanças pequenas como políticas de compensação social e investimentos em determinados ramos produtivos, mas dentro dessa lógica da exportação de commodities e de construir uma infra-estrutura para o grande capital.


Mas durante muito tempo o MST caminhou junto com o PT. Não é dolorido ver o presidente chamar grandes usineiros de heróis?

Claro. Essa declaração reflete o que é o governo Lula. Um governo violino. Agarra com a esquerda mas toca com a direita. Se tu pegar o grande projeto estratégico do PT, a construção do projeto democrático e popular, que previa medidas anti-latifundiárias, anti-monopolistas, anti-imperialistas, nenhuma dessas têm sido aplicadas. Não só o Lula, mas parte do PT abandonou esse projeto faz algum tempo. Isso não significa que não tenha dentro do PT muita gente séria e o MST obviamente mantém relações com esses setores.


Essas relações não alimentam as críticas ao governo de que ele é muito tolerante com o MST?

Essas críticas sempre houveram, não são desse governo. De que precisa acabar com o MST, de que é fora da lei, de que desviou o rumo.
Mesmo essas ações mais recentes ainda estariam, na sua visão, dentro da lei?
Claro, é um processo de debate com a sociedade. Nos limites da legalidade vamos indo. Tensionando. Essa é a tarefa do movimento social.
O MST tem alguma espécie de contato com as Farcs?
Não tem nada. Há uns dez anos atrás, várias pessoas queriam que nos encontrássemos, mas nunca aconteceu a nível de direções. As realidades são diferentes. Não enxergamos as Farcs nem 3com simpatia nem com antipatia. Respeitamos os processos de cada povo.

PECUÁRIA NA AMAZÔNIA: PERDAS INCALCULÁVEIS !

Uma das preocupações que devemos ter no Brasil, está relacionado à questão da AMAZÔNIA. Por isso, destaco, uma entrevista explosiva a respeito do tema.

Hidrelétricas, pecuária, soja, cana... São todos problemas atuais da Amazônia brasileira. Há dois meses no cargo de Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc ainda não mostrou realmente a que veio, segundo o ambientalista Peter May. Em entrevista à IHU On-Line, concedida por telefone, May analisa os problemas pelos quais a Amazônia vem passando e critica o governo federal. “O fato é que esse bioma é um dos mais ameaçados e um dos mais preciosos que nós temos no Planeta e qualquer incursão a ele implicaria em perdas incalculáveis. Por isso, qualquer abertura para a pecuária significa uma perda infinita”, reagiu à afirmação do Ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, que disse que é mais fácil acabar com a pecuária do que com a Floresta Amazônica.
Peter May é graduado em Artes Liberais, pelo The Evergreen State College, nos Estados Unidos. É mestre em Planejamento Urbano e Regional, pela Cornell University, nos Estados Unidos, onde também obteve o título de doutor em Economia dos Recursos Naturais. É pós-doutor pela University of Califórnia. Atualmente, é consultor da Ong Amigos da Terra Amazônia Brasileira, secretário-executivo do Instituto Rede Brasileira Agroflorestal, professor da Universidade Federal Fluminense e da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, membro do International Society for Ecological Economics e diretor da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica. É autor de Economia do meio ambiente: teoria e prática (Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2003) e O reino do gado: uma nova fase na pecuarização da Amazônia brasileira (São Paulo: Amigos da Terra-Amazônia Brasileira, 2008), entre outros livros.
Confira a entrevista.
IHU On-Line – Foi anunciado ontem que a construção das usinas do Xingu seriam canceladas, exceto a usina de Belo Monte. Segundo o governo, essa atitude foi uma concessão aos ambientalistas e facilitará o licenciamento de Belo Monte. Qual é a sua opinião sobre esse fato?
Peter May – Essa é uma reivindicação que a
comunidade ambientalista e os povos de comunidades indígenas da região, como principal grupo afetado por esse empreendimento, fazem há tempo. Agora, há sempre risco de que esse tipo de declaração não seja seguido. Há mais de dez anos, quando houve o primeiro encontro de povos da floresta em Altamira, foi cancelado qualquer aproveitamento de hidrelétrica e aí ressurgiu Belo Monte das cinzas. Por isso, não podemos contar com tal informação, uma vez que esse tipo de cancelamento não é permanente. Mas pelo menos, por enquanto, mostra que há uma preocupação com os possíveis impactos que esse empreendimento no Xingu, principalmente acima de Belo Monte, poderiam causar.
IHU On-Line – Em relação às políticas públicas na Amazônia, o que se sobressai sobre as decisões do governo: a questão política ou a questão econômica?
Peter May – A meu ver, está tudo misturado, de certa forma, porque os fatores de pressão que estão resultando na expansão da
fronteira agropecuária são estritamente econômicos, associados com os bons preços de commodities de carne e soja no mercado internacional. Isso causa uma insurgência de maiores pressões sobre áreas para ocupação pecuária. Mas a capacidade de frear e achar alternativas para ocupação desses espaços depende de vontade política e determinação para fiscalizar e fazer valer as leis em termos de onde deve e como se deve aproveitar e utilizar espaços nesse bioma. Tratas-se de uma questão política e econômica.
IHU On-Line – O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, disse que é mais fácil acontecer a extinção da agricultura brasileira do que acabar com a floresta. Como esse tipo de afirmação repercute no movimento ambientalista?
Peter May – Esse é o típico papo de
setores ruralistas que estão preocupados em mostrar que não têm limites a expansão da agricultura. Mas o fato é que esse bioma é um dos mais ameaçados e um dos mais preciosos que nós temos no Planeta e qualquer incursão a ele implicaria em perdas incalculáveis. Por isso, qualquer abertura para a pecuária significa uma perda infinita.
IHU On-Line – Qual é o principal problema social da Amazônia, já que estamos falando de quem convive diariamente com todos esses problemas envolvendo a região?
Peter May – O problema é como promover boas práticas de ocupação e uso racional de espaços que já foram
desmatados e degradados e que precisam ser recuperados para poderem fornecer bens de serviços de utilidade para sociedade. Isso implica em investimentos de recursos públicos e privados nesse tipo de restauração de produtividade. É mais barato para o pecuarista explorar a fronteira. Precisamos recuperar os solos degradados e deixados de lado pela atividade agropecuária.
IHU On-Line – Como repercutiu o pedido de demissão do diretor de ações para Amazônia do Ministério de Meio Ambiente, André Lima?
Peter May – Ele teve razão em pedir demissão. Ele, como militante na causa ambiental há mais de 20 anos, ficou frustrado. Ele foi para o governo porque viu uma oportunidade de fazer valer as propostas que tinha coordenado junto com comunidades e ONGs no sentido de lutar contra
o desmatamento. Esse foi o convite que recebeu na época. Quando Marina saiu, ele parou para observar se o Carlos Minc ia dar certo. Mas não devemos esperar seriedade apenas do Minc. As propostas dessa natureza necessitam de apoio da Casa Civil, da Presidência, do Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Agrário. Ou seja, é preciso haver uma conciliação de propostas do governo para poder ter seriedade. No momento, isso não acontece claramente. Há muitos questionamentos no ar. Esse negócio de colocar dois ministros trabalhando no projeto Amazônia Sustentável disputando o mesmo espaço é ridículo, uma indicação de que estão querendo dividir a área e fazer com que não haja nada. Isso nos deixa muito assustados.
IHU On-Line – E a sua avaliação dos primeiros meses de Minc no ministério do
Meio Ambiente?
Peter May – Estamos pagando para ver, mas não vimos nada ainda.

domingo, 20 de julho de 2008

A QUEM PERTENCE O DNA ?

Como é um tema polêmico, e que eu, particularmente entendo um bocado, esta reportagem abaixo, trás a tona uma questão sobre o D.N.A.


Transnacionais farmacêuticas, antropólogos, governos e polícias buscam reunir o maior número possível de dados genéticos sobre as populações. Saúde e Ciência podem se tornar pretextos para que algumas empresas controlem a produção de medicamentos inovadores e para invasões de privacidade

DNA Três letras para designar uma substância inquietante, misteriosa e quase imaterial que, contudo, está em cada uma das mais de cem trilhões de células dos nossos organismos. Sem dúvida, trata-se de algo real, dotado de uma massa – cerca de 200 gramas – e de uma forma – a famosa dupla-hélice. É desta concretude que eu parto para afirmar minha percepção européia e individualista sobre o tema, formada no respeito aos princípios da propriedade privada: da mesma maneira que eu poderia, eventualmente, vender meu rim a uma organização ligada ao tráfico de órgãos ou doá-lo para um familiar, o DNA do meu corpo também me pertence.
Entretanto, mesmo que eu optasse por comercializar meu conteúdo genético, não saberia quanto ele vale. Isso porque ignoro completamente o que meu DNA contém. E, ainda que conhecesse sua seqüência, precisaria da ajuda de um especialista para compreender alguma coisa. O mesmo acontece toda vez que nos separamos de um bem quase desconhecido, tal como um livro escrito numa língua estranha ou as bobinas de um filme impossível de ser visto: temos dificuldades em atribuir-lhes valor. Claro, sempre podemos usar o “truque” de um vendedor numa feira de bricabraque, que para não avaliar de maneira distorcida as mercadorias sobre as quais não têm nenhum conhecimento, tenta medir com maior precisão o perfil do comprador. Se este for bem vestido, vier de longe ou estiver acompanhado de um perito, o feirante pode razoavelmente supor que o bem cobiçado tem grande valor, e comprá-lo ou vendê-lo de maneira mais segura. No caso do DNA, as coisas funcionam mais ou menos da mesma forma. Só que os compradores podem ser pesquisadores que se deslocam até lugares remotos do planeta para coletar o código genético de certas populações humanas; ou funcionários de seguradoras norte-americanas, que andam sempre bem vestidos e à procura de uma seqüência portadora de alguma doença prejudicial à saúde financeira da companhia; e até mesmo a polícia, que investe quantias consideráveis na constituição de bancos de dados. Todos são grandes negociantes em potencial.
Podemos pensar que eles estão agindo movidos por um interesse geral, mas nada garante isso. Os geneticistas que solicitam uma amostragem do nosso DNA justificam em geral seu pedido apresentando razões científicas, que englobam as necessidades da pesquisa médica aplicada a patologias supostamente hereditárias. Conhecendo-se os vínculos genealógicos que unem certos indivíduos acometidos de uma mesma doença, pode-se determinar se esta é genética e identificar o fragmento de DNA responsável pelas disfunções. Em tal contexto, o interesse pessoal dos pesquisadores e seu desejo eventual de galgar degraus na carreira parecem irrisórios, se comparados ao bem que farão aos enfermos e à sociedade como um todo, que arca com os custos dos seus tratamentos. Neste caso, é bastante compreensível ceder seu DNA sem receber em troca qualquer compensação financeira. Isso se o geneticista estiver trabalhando para um hospital ou um centro público de pesquisas. Caso ele atue servindo uma companhia privada cujo lucro vem, em parte, das pesquisas médicas, é plausível questionar se a prestação de serviços proporcionada para os doentes e a sociedade será mesmo efetuada de maneira tão desinteressada quanto a doação da amostragem de DNA.
Na Islândia, colonizada pelos vikings, e nas Ilhas Norfolk, cuja população originou-se de um motim no mar, exemplos de populações consangüíneas que atraem pesquisas
Além disso, os cientistas interessados na pesquisa do código genético solicitam contribuições não apenas de indivíduos, mas também de coletividades. E até mesmo de países inteiros. Os vikings, por exemplo, que colonizaram a Islândia a partir do século 9, deixaram como herança uma tradição administrativa robusta o suficiente para que a genealogia da ilha estivesse quase integralmente disponível e remontasse a épocas muito distantes. Relativamente isolados por razões geográficas, os islandeses formam uma população homogênea, o que fez com que seu país fosse o lugar ideal para uma pesquisa sobre eventuais causas genéticas de doenças: nesse território, os vínculos de consangüinidade que existem entre dois doentes podem ser determinados com facilidade. Esta condição favorável não passou despercebida pelo grupo farmacêutico Hoffman-La Roche, que propôs ao governo, por intermédio da sociedade deCODE Genetics, a seguinte troca: o Estado forneceria o acesso aos dados médicos dos islandeses e, caso conseguissem desenvolver tratamentos, estes seriam disponibilizados gratuitamente para a população inteira.
Apesar da violação da vida privada que caracterizava esta operação, perpetrada por uma sociedade comercial, o Parlamento islandês decidiu, em 1998, centralizar o conjunto dos dossiês médicos da população, além das árvores genealógicas, e autorizar seu acesso exclusivo à decode Genetics para que os pesquisadores pudessem confrontar esses elementos com os dados genéticos coletados. Dessa forma, o DNA dos cidadãos islandeses adquiriu o status de uma espécie de propriedade coletiva, da qual os representantes legais – os parlamentares – puderam dispor, trocando-a pelos benefícios médicos pretendidos pelo grupo Hoffmann-La Roche. E não se tratava de um “empréstimo temporário”, conforme alguns dos participantes haviam acreditado, mas sim de uma cessão definitiva que não lhes dava direito algum de interferirem no curso dos eventos. Assim, um doador voluntário que decidisse voltar atrás e se retirar do acordo não tinha chance alguma de ganhar a causa. O registro da sua seqüência de DNA não seria apagado do banco de dados.
Aos olhos de um geneticista, os habitantes da ilha de Norfolk apresentam um interesse comparável aos islandeses. Situado entre a Nova Zelândia e a Austrália, este território dispõe de um governo autônomo, ainda que dependente de Camberra. Seus moradores descendem, em grande parte, dos amotinados da fragata inglesa HMS Bounty: em 1789, conforme bem mostra um célebre filme com Marlon Brando, vários marinheiros e um oficial revoltaram-se contra o terrível capitão William Bligh e se apoderam do navio. Bligh e seus seguidores foram abandonados numa chalupa no meio do Pacífico e depois de oito mil quilômetros navegando conseguiram alcançar a ilha de Timor. Já os amotinados, depois de um périplo pelo Tahiti, conheceram um destino mais difícil: caíram nas mãos da justiça inglesa. Apenas nove conseguiram escapar e se instalaram, acompanhados das suas mulheres polinésias, na obscura ilha de Pitcairn, onde fundaram uma comunidade. O grupo, cuja presença foi detectada pelos ingleses em 1808, foi abandonado à sua sorte. A situação permaneceu a mesma até 1856, quando a colônia foi deslocada para uma ilha maior e mais acessível, Norfolk.
Instituições como a Unesco e a OCDE tentam definir recomendações para que as pesquisas e coletas sejam realizadas de maneira aceitável do ponto de vista ético
Em 1999, 143 anos depois, eu ainda era um estudante à procura de um assunto para a sua tese e escrevi para o governo de Norfolk solicitando autorização para estudar o DNA dos ilhéus. Assim como na Islândia e também devido ao seu processo de colonização, existe une genealogia exaustiva da população. Oito meses mais tarde, o ministro da Saúde respondeu negativamente. A sua carta acrescentava que uma série de questões sensíveis, tais como as da propriedade da informação obtida, do seu controle e do respeito pela vida privada, além do temor de que os habitantes sejam considerados cobaias, havia motivado esta decisão da Assembléia Legislativa. Além de tudo, ele me proibiu de empreender demais contatos com os ilhéus, qualquer que fosse o motivo. Ou seja, os temores que haviam sido ignorados pela votação islandesa foram reconhecidos como legítimos em Norfolk. Legitimidade esta que desmoronou um ano mais tarde quando, sempre em nome do povo, a Assembléia Legislativa da ilha emitiu um parecer favorável à proposta da pesquisadora Lyn Griffiths, da universidade australiana Griffith. Seu projeto comportava um programa de saúde pública praticamente idêntico ao da Islândia. Tanto num caso como no outro, as duas assembléias pareceram agir em nome de um interesse geral do qual elas se consideravam depositárias.
Às margens da pesquisa médica, outras disciplinas estão envolvidas na coleta de DNA, como os estudos antropológicos que se focalizam na compreensão da história genética das populações humanas. Este campo, que se aparenta à arqueologia ou à paleontologia no que diz respeito às suas motivações científicas, em geral escapa das decisões governamentais, pois seus avanços não são tão relevantes quanto os proporcionados por áreas com a saúde pública. Por isso, estes outros pesquisadores preferem negociar diretamente com dirigentes locais – prefeitos, diretores de hospital ou chefes de aldeia – as condições do seu acesso à população. Uma vez que a questão científica foi debatida à exaustão e que essas pessoas chegam a um acordo em relação à relevância do estudo, os pesquisadores começam a convencer os possíveis doadores voluntários de DNA.
Instituições tais como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), ou a Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico (OCDE), tentaram definir recomendações para que essas operações sejam realizadas de maneira aceitável do ponto de vista ético. Tudo se baseia na assinatura de um acordo, por meio do qual cada doador aceita ceder uma amostragem do seu DNA após o acesso a uma série de informações. Mas este ato não confere ao pesquisador, em teoria, o direito de operar cruzamentos dos resultados dos testes genéticos com informações individuais provenientes de outras fontes, eventualmente disponíveis em outros lugares. Ele teria que obter um novo consentimento para utilizar os dados já estocados. Além disso, as amostragens são anônimas e devem ser supostamente destruídas ao final das experiências.
Certos cidadãos bascos conferiram conteúdo político à especificidade genética que parece caracterizá-los. O Bene Israel, uma comunidade judaica da Índia, também
No quadro desta genética “antropológica” o peso das decisões individuais parece ser mais importante. Em relação à pesquisa médica, no entanto, a escala se altera: a genética das populações estuda grupos humanos de dimensão mais reduzida do que a dos habitantes de uma ilha ou de um país. Quando os objetivos almejados são corretamente explicados, torna-se claro para os doadores que o seu DNA poderia conter uma mensagem que será significativa no plano da comunidade. A informação genética é então considerada patrimônio comum, da mesma forma que uma tradição musical, artística ou culinária, conforme mostram as reações suscitadas pelos resultados de pesquisas locais.
Certos cidadãos bascos, por exemplo, conferiram um conteúdo político à especificidade genética que parece caracterizá-los. Da mesma forma, os integrantes da Bene Israel, uma comunidade judaica da Índia, associaram um conteúdo religioso aos testes genéticos que haviam demonstrado a similaridade do seu DNA com o de populações do Oriente Médio. Com essa similitude, eles viam as suas tradições serem confirmadas. Ao mesmo tempo, enquanto as análises genéticas parecem poder reforçar a identidade de um grupo, elas podem também vir a questioná-la ou apontar certas ressalvas. Este foi o caso de uma pesquisa sobre os caracalpaques, habitantes do Caracalpaquistão (região do Uzbequistão), que não conseguiu estabelecer nenhum embasamento genético próprio destas tribos, embora cada uma delas reivindicasse ser descendente de um ancestral único.
Resta definir até que ponto o DNA pode ser percebido como coletivo pelo próprio grupo interessado, uma questão diferente daquela do direito de uma assembléia legislativa de autorizar ou não o acesso a ele. Geneticamente falando, um grupo de pessoas possui um DNA tanto mais “coletivo” – ou seja, que apresenta fortes similitudes entre indivíduos nas seqüências que comportam as variações genéticas humanas – quanto os seus membros são consangüíneos. Embora esta noção faça sentido no plano familiar, ela se torna imprecisa à medida que o círculo se amplia e se complica ao sofrer interferências de fatores lingüísticos e religiosos. Não foi por acaso que as decisões tomadas pelas assembléias de Norfolk e da Islândia diziam respeito a duas comunidades isoladas e integradas: debates desta natureza passam a se focalizar na identidade do grupo e na legitimidade atribuída aos seus representantes.
Pesquisa ou intimidação? Na França, militantes anti-transgênicos militantes que destruíram uma plantação de milho transgênico foram submetidos à coleta do seu DNA
Entre os interesses coletivos que justificam uma coleta em grande escala de DNA estão as questões relativas à segurança, que ocupam um espaço importante. Na França, as forças da ordem estão autorizadas a colher o código genético de indivíduos detidos, no âmbito dos seus inquéritos. Este direito resultou na criação, em 1998, do Fichier National Automatisé des Empreintes Génétiques (FNAEG – Arquivo Nacional Automatizado das Impressões Genéticas), que fora concebido inicialmente para colher as impressões genéticas apenas de autores de crimes sexuais em crianças. De 2001 a 2007, seis substitutivos ampliaram o seu alcance para outras infrações, como a destruição ou a deterioração de bens.
Com base nessas novas disposições legais, militantes anti-OGM (organismos geneticamente modificados) que destruíram uma plantação de milho transgênico foram submetidos à coleta do seu DNA. Os que se recusaram viram-se obrigados a pagar uma multa de 15 mil euros (cerca de 40 mil reais), eventualmente acrescida de uma pena de um ano de prisão.
Os arquivos do FNAEG dizem respeito tanto aos condenados quanto a pessoas processadas e mais tarde inocentadas. Neste último caso, a lei prevê a possibilidade de exclusão da ficha, solicitado por meio de um requerimento perante o procurador da República. Mas o pedido não obtém ganho de causa automático e, além de tudo, o requerente não dispõe de meio algum para verificar se sua solicitação foi realmente cumprida. Com a entrada em vigor da lei sobre a segurança interna do território, de 2003, a decisão de proceder a uma coleta de DNA deixa de ser da alçada exclusiva do ministério público: a polícia pode também decidir sobre a questão. Além disso, os textos legais não determinam atualmente nenhum limite de idade para os alvos da coleta.
No começo de 2008, o FNAEG continha cerca de 717 mil fichas e seguia inchando, no ritmo de 30 mil novos perfis por mês
. Elas serão conservadas durante 40 anos no caso dos condenados, e por 25 anos nos de todas as outras pessoas fichadas. Este número elevado de informações resulta, em parte, do fichamento retroativo: uma pessoa que foi encarcerada por conta de fatos que, no momento em que foram cometidos, não eram enquadrados pela lei e não justificavam uma coleta, pode ter seu DNA requerido se a lei tiver sido alterada nesse meio-tempo. Não muda nada o fato do caso já ter sido julgado e de a coleta não representar outro interesse senão o de fichar o indivíduo. Em caso de recusa, a justiça sabe se mostrar convincente: as sanções por insubmissão aos testes de DNA prevêem a anulação das reduções de eventuais penas.
Em 2004, um matemático alemão demonstrou a falta de confiabilidade dos retratos falados elaborados pelo FBI nos Estados Unidos, a partir de um banco de dados genético
Este quadro coercitivo mostra que nós não podemos dispor como bem entendemos do nosso genoma. Por enquanto, a lei não autoriza (ainda) a coleta por meio da força. Contudo, ela admite que a polícia use algumas artimanhas que tornam o primeiro método desnecessário: um pequeno lenço, uma bituca de cigarro ou um fio de cabelo contêm DNA em quantidade suficiente para se obter uma impressão genética. A tendência, que já despontava com a pesquisa médica e com a genética das populações, se confirma na chamada luta contra o crime: o DNA é considerado como uma propriedade coletiva administrada pelos governantes de cada país. Não só o nosso DNA não nos pertence verdadeiramente, como ele não vale mais do que 15 mil euros, no melhor dos casos.
Desde a sua criação, a eficiência dos serviços franceses de identificação judiciária não parou de progredir. Ao que tudo indica, eles deverão lançar mão de uma utilização cada vez mais maciça do DNA – mesmo em casos que não estejam enquadrados pelo direito penal, como já ocorreu. Aos olhos do ministério do Interior, o DNA não passa de uma extensão das impressões digitais, mais confiável e poderosa. Seria o caso de se esperar das autoridades que elas empreendam uma reflexão científica, ética ou filosófica sobre a diferença entre as duas? Ou de temer que o DNA de uma prova de delito também seja utilizado para elaborar o “retrato falado genético” de um suspeito procurado (proveniência geográfica possível, origem étnica potencial), e não apenas para se assegurar de que um indiciado possui efetivamente um DNA idêntico àquele encontrado na cena do crime? Esta prática é oficialmente proibida na França, porém legal nos Estados Unidos. Se ela se generalizar, poderá provocar erros judiciários em grande escala, concentrando as investigações em pessoas consideradas potencialmente culpadas de um delito, por “terem um semblante genético suspeito”.
Em 2004, o matemático alemão Hans Jurgen Bandelt demonstrou a falta de confiabilidade dos retratos falados elaborados nos Estados Unidos pelo Federal Bureau of Investigação (FBI) a partir de um banco de dados genético [Bandelt et al.,
“Problems in FBI mtDNA Database”, Science, Washington, 2004. ]. Aliás, o próprio princípio da elaboração de perfis a partir de dados genéticos apresenta problemas. Em 1997, a análise do DNA de um grande número de pessoas cujo sobrenome era “Cohen” identificava um marcador genético que parecia ser característico de todas elas. Alguns círculos religiosos viram nisso a confirmação científica de uma narrativa tradicional que identifica os Cohen como sendo os descendentes de uma casta de sacerdotes judeus chamada Cohanim. Contudo, pesquisas realizadas posteriormente apontaram que o tal marcador também era encontrado, em uma freqüência análoga, em populações orientais tais como os iemenitas, além de beduínos do deserto, os quais não tinham vínculo algum com os Cohanim.
Imaginemos agora que um crime tenha sido cometido em Nova York por um beduíno que tivesse se radicado nos Estados Unidos e que os investigadores resolvam estabelecer o perfil dos suspeitos por meio de testes de DNA. Se estudos mais aprofundados não tivessem sido conduzidos a respeito do marcador “Cohen”, a polícia concentraria em vão o seu inquérito no contexto da comunidade judaica mais próxima do local do crime.

OS PAÍSES DO G-20 COESOS EM SEUS INTERESSES !

O G-20 das nações emergentes surgiu no cenário internacional durante a conferência interministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC) realizada em Cancun (México) em setembro de 2003.
Seu propósito inicial era impedir que a conferência se limitasse a atender os interesses de Estados Unidos e União Européia (UE), em detrimento dos objetivos fixados desde 2001 pela Rodada de Doha, centrada nos mercados agrícolas.
Essa Rodada deveria ter sido concluída no final de 2004, mas se arrasta até hoje, principalmente por divergências na questão agrícola.
O G-20 celebrou nestes cinco anos várias reuniões de alto nível e leva suas exigências à conferência ministerial da OMC que será inaugurada na segunda-feira em Genebra, apresentada como última tentativa de salvar a Rodada de Doha.
Brasil e Índia foram os grandes articuladores do grupo, que atualmente conta com 23 membros: doze latino-americanos (Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Cuba, Equador, Guatemala, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela), cinco africanos (Egito, Nigéria, África do Sul, Tanzânia e Zimbábue) e seis asiáticos (China, Filipinas, Índia, Indonésia, Paquistão e Tailândia).
Esses países representam cerca de 60% da população mundial, 70% da população rural e 26% das exportações agrícolas do planeta, de acordo com dados da própria organização.

sábado, 19 de julho de 2008

ESCOPETA NÃO É CHOCALHO !

Logo depois do anúncio do governo dos EUA da reativação da QUARTA FROTA, eu me sentí assim, como se "eles" iniciassem o processo de invasão de nossos mares, litorais a mando de um imperialismo absurdo e abusado.
É assim que eu percebo ser a reativação da QUARTA FROTA dos EUA para a América Latina. esse mar nos pertence, e queremos ter liberdade de ir e vir, não queremos ninguém nos vigiando, e nos intimidando !
Acima, simbolo da QUARTA FROTA dos EUA, recentemente reativada, e que em muito nos preocupa. Já publiquei aqui a minha indignação com o fato, e agora, lendo o artigo publicado por José Luis Fiori, da Revista Le Monde Diplomatique, resolví expor com outra opinião a minha preocupação e indignação com o tema.

Ao reativarem a IV Frota, os EUA sugerem que têm força para, por exemplo, bloquear o comércio externo da América do Sul. Em teoria, a disposição de um estado mais poderoso a exercer violência só pode ser enfrentada por alianças entre parceiros que consigam superar suas próprias rivalidades, POR José Luís Fiori em (17/07/2008)
Pode-se perguntar por que um estado mais forte desejaria atacar um mais fraco,mas certamente esse não é o ponto.O fato decisivo é que, no nível interestatal,a unidade maior pode atacar os grupos mais fracos.Como não há quem possa impedir esses ataques,os grupos humanos mais fracos vivemem contínuo e inevitável estado de insegurança”
Norbert Elias, Envolvimento e Alienação.
A reativação da IV Frota Naval dos Estados Unidos, na zona do Atlântico Sul, provocará uma mudança radical e permanente, nas relações militares dos EUA, com a América Latina. Foi por isto que surpreenderam tanto as primeiras explicações americanas, a respeito da reativação da sua Frota – criada em 1943 e desmantelada em 1950 –, que teria sido uma simples decisão “administrativa”, tomada com objetivos “pacíficos, humanitários e ecológicos”.

A mentira não é um pecado grave no campo das relações internacionais.
Pelo contrário, mentir ou dizer meias-verdades, com competência, foi sempre uma arte e uma virtude essencial da diplomacia entre as nações. Portanto, não foi isto que chamou atenção, na declaração das autoridades americanas: foi o seu desrespeito pela inteligência dos interlocutores, e o seu deboche com relação à impotência dos governos afetados pela sua decisão.
Mesmo quando se falasse também da necessidade de “combater a pirataria, o tráfico de drogas, de pessoas e de armas”, sem explicar, ao mesmo tempo, porque a IV Frota não foi reativada durante a Guerra Fria, ou mesmo depois da Revolução Cubana e da Crise dos Mísseis, de 1962, quando o “fluxo ilegal de armas e pessoas”, e o “tráfico de drogas” eram iguais ou maiores do que hoje.
Por isto, tiveram grande repercussão as declarações “corretivas”, das autoridades navais dos EUA, feitas na Base Naval Mayport, na Flórida, no dia 11 de julho de 2008. Em particular, o discurso inaugural do almirante Gary Roughead, chefe de Operações Navais da Marinha Americana, que redefiniu o
objetivo principal da nova Frota, destinada a “proteger os mares da região daqueles que ameaçam o fluxo livre do comércio internacional”, ao mesmo tempo em que advertia, aos desavisados, que “ninguém deve se enganar: porque esta frota estará pronta para qualquer operação, a qualquer hora e em qualquer lugar, num máximo de 24 a 48 horas”.
Com respeito à proteção do comércio marítimo, todos os especialistas sabem que só tem capacidade de proteger o “livre fluxo do comércio mundial”, quem também tem a capacidade de interrompê-lo. Ou seja, quem tem poder para proteger, também tem o poder de excluir concorrentes, se for o caso, quando se acirra a competição entre os estados e os capitais privados – como está acontecendo, neste início do século 21. Depois de quase uma década de crescimento contínuo e acelerado, a economia mundial enfrenta, neste momento, uma disparada dos preços, da especulação e da escassez de algumas commodities fundamentais, como é o caso do petróleo, dos alimentos e dos minerais estratégicos.
A competição imperialista já chegou à África. Deverá atingir a América Latina de forma ainda mais intensa, devido aos recursos energéticos, reservas minerais e hídricas, imensa capacidade de produção alimentar
E neste momento, já está em curso uma nova “corrida imperialista”, entre as grandes potências, que lutam por sua segurança energética e alimentar, exatamente como aconteceu no final do século 19, e início do século 20. Uma competição que já chegou à África, e deverá atingir a América Latina, de forma ainda mais intensa, graças aos seus recursos energéticos, às suas grandes reservas minerais e hídricos, e à sua imensa capacidade de produção alimentar, muito superior à da África. Em particular, no caso do Brasil, que deverá ser – em breve – o maior exportador mundial de alimentos, e um dos grandes exportadores de petróleo, além de ser o principal “proprietário” das águas e da biodiversidade amazônica. Existindo um agravante, no caso brasileiro, do ponto de vista das autoridades norte-americanas: o fato de ser o país que está liderando os processos de criação da Unasul e do Conselho Sul-Americano de Defesa, organizações que excluem os EUA e esvaziam o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca, e a Junta Interamericana de Defesa, controlados pelos norte-americanos.
Esta história, entretanto, traz uma lição importante para o futuro da América Latina, e do Brasil em particular. Faz um século, mais ou menos, o almirante e geopolítico Alfred Mahan, notabilizou-se pela sua defesa militante da idéia que os EUA jamais seriam uma “grande potência”, apoiando-se apenas no seu desenvolvimento econômico. Para ter estatuto internacional, precisariam de uma esquadra naval capaz de projetar o poder americano ao redor do mundo, como havia feito a Inglaterra, no século 19. O almirante Mahan exerceu grande influência pessoal sobre o presidente Theodore Roosevelt, logo no início do século 20, e depois se transformou no maior símbolo de todos os tempos do poder naval americano. Com razão, porque menos de meio século depois da sua morte, os EUA já eram o maior poder naval da história da humanidade, controlando todos os mares e oceanos do mundo, com suas sete frotas navais.
Neste momento, os EUA acabam de reativar a sua IV Frota, mas poderão criar muitas outras, se quiserem, sem ferir o Direito Internacional, sem precisar utilizar as águas soberanas de outros estados, e sem precisar dar explicações a ninguém. Obedecendo apenas aos seus cálculos estratégicos e ao seu poder de construir e distribuir navios militares ao redor do mundo, como havia proposto Alfred Mahan. Segundo o sociólogo alemão Norbert Elias, a dura verdade é que, “se algum estado for mais forte ou se acreditar mais forte que seus vizinhos, sempre haverá a possibilidade de que tente obter vantagens, o que pode ocorrer de diversas formas, hostilizando-os, fazendo exigências ou invadindo-os e anexando-os [...] e só existe uma possibilidade de um estado com maior potencial de violência ser impedido de explorar ao máximo sua porção de poder relativo: ele só pode ser reprimido por outro estado equivalentemente forte ou por um grupo de estados que consigam controlar as rivalidades entre si em grau suficiente para favorecer seu potencial combinado de poder”.

CONSTRUIR OUTRO MUNDO EM MEIO AS TEMPESTADES !

Apesar da reportagem abaixo, entrevista de um sociólogo ser bem contundente, eu acredito na Paz. Quando virá, eu estou fazendo minha parte, e você está fazendo a sua ?

O signo da próxima década pode ser a turbulência. O declínio do poder norte-americano, agora evidente, é bem-vindo — mas tende a provocar, no curto prazo, desordens e ameaças. Será preciso evitar abismos. Mas, como em toda a encruzilhada, haverá espaço para alternativas e escolhas.

A análise é do sociólogo Immanuel Wallerstein publicado originalmente pela Yale Global Magazine, do Centro de Estudos sobre a Globalização da Universidade de Yale e reproduzido pelo sítio Le Monde Diplomatique Brasil, 18-07-2008. Eis o artigo.

No momento em que nos aproximamos da próxima década, é possível antecipar grande turbulência em duas frentes – a arena geopolítica e a economia mundial, com o relativo declínio do poder geopolítico norte-americano, agora percebido por quase todos, e que nem mesmo um Obama presidente será capaz de reverter.

Estamos caminhando para um mundo verdadeiramente multipolar, em que o poder de Estados relativamente fracos tornou-se subitamente muito maior. O Oriente Médio atual é um exemplo. A Turquia agencia a retomada de negociações entre Síria e Israel, congeladas há muito. O Qatar agencia uma trégua negociada entre facções libanesas ferozmente opostas. A Autoridade Palestina retomou negociações com o Hamas. E o governo paquistanês entrou numa trégua de facto com o Taliban nas zonas fronteiriças ao Afeganistão. O significativo destas estas ações é que os Estados Unidos se opuseram a todas elas e foram simplesmente ignorados – sem nenhuma conseqüência séria para qualquer dos atores.

Além os EUA, União Européia e Japão, há agora a Rússia, China, Índia, Irã, Brasil – como líder presumido do bloco sul-americano – e África do Sul – líder presumido do bloco sul-africano. Há um imenso terreno para alianças, com debate internos sobre parceiros ideais e ampla incerteza sobre o que decidirão. Além disso, outros países como Polônia, Ucrânia, Coréia do Sul, Paquistão, Egito, Nigéria, México e Canadá já não têm certezas sobre quais seus espaços de atuação. A situação geopolítica é claramente distinta de todas que o mundo viveu há um bom tempo.

Não é a anarquia total, mas certamente desordem geopolítica maciça.

Esta desordem geopolítica está acompanhada por incertezas agudas sobre a economia mundial. Há, antes de mais nada, o tema das moedas. Vivemos, pelo menos desde 1945, num mundo estabilizado pelo dólar. O declínio dos Estados Unidos, em particular como locus dominante da produção mundial, combinado com a ultra-expansão de sua dívida, causou um sério declínio do dólar, cujo patamar final ainda é obscuro, mas será provavelmente inferior ao atual. O declínio do dólar representa um sério dilema econômico para outros países, particularmente aqueles que converteram sua nova riqueza em títulos e estoques denominados nesta moeda. Estes países estão divididos entre sustentar os EUA, destino muito importante de suas exportações, e evitar as perdas reais que sofre o valor de seus ativos vinculados ao dólar. Especulam sobre a possibilidade de abandoná-lo. Mas como em todas as saídas financeiras, a questão para os possuidores de ativos é o timing – nem muito cedo, nem tarde demais.O dólar poderá ser substituído como reserva monetária mundial? O candidato óbvio é o euro. Mas não se sabe ainda se ele poderá cumprir este papel, ou se os governos europeus estão dispostos a promovê-lo a tal condição – embora não seja impossível que o processo os atropele.

Em lugar do euro, poderíamos ter uma situação pluri-monetária, em que dólar, euro, iene, o renminbi chinês e a libra fossem todos utilizáveis para transações internacionais? A resposta aqui é similar à das alianças geopolíticas. Não seria a anarquia total, mas certamente desordem, e os governos e produtores tenderiam a sentir-se muito inconfortáveis – para não falar dos aposentados em todo o mundo.

Muitos países grandes viveram amplo aumento tanto de produção quanto nos níveis de consumo. Veja-se os tão-comentados BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China – que abrigam cerca de 60% da população mundial O aumento em seus níveis de produção e consumo produzir um enorme aumento da demanda por energia, matérias-primas, alimentos e água. Alguma coisa vai acontecer. Pode haver uma grande onda mundial de inflação, se os preços de todas as commodities continuarem a disparar, alimentados pelo crescimento da demanda e pela especulação. Uma conseqüência não-descartável seria o protecionismo maciço: governos limitando fortemente as exportações, para proteger seu abastecimento interno. As experiências anteriores mostram que isso pode criar círculos viciosos erráticos. Ou pode haver enormes desabastecimentos localizados, resultando em altos índices de mortalidade e sérias catástrofes ambientais. Os governos atingidos por quedas na receita, e pressionados a não compensá-las via aumentos de tributos, poderiam cortar despesas nas áreas-chaves de Educação, Saúde e Previdência. Mas são terrenos que, como parte da democratização do mundo nos dois últimos séculos, transformaram-se nas expectativas mais importantes das sociedades em relação a seus governos. Dirigentes incapazes de assegurar a manutenção destas três formas de redistribuição social da riqueza perderiam legitimidade abruptamente, com resultados incertos em termos de levantes civis. É exatamente a este cenário, muito negativo a curto prazo, que nos referimos quando dizemos que o sistema ultrapassou o equilíbrio, ingressando num estado de caos. O caos, é claro, nunca dura para sempre. As situações caóticas acabam gestando a própria solução de suas crises, naquilo que Prigogine e Stengers chamaram de “ordem emanada do caos”, em sua obra clássica. Como os autores frisam, no centro de uma encruzilhada há criatividade e alternativas, mas nunca se sabe que escolhas serão feitas. Na batalha entre esquerda e direita, a primeira viveu um ascenso vertiginoso nos últimos duzentos anos – especialmente no século 20. A esquerda mobilizou apoio em grande escala e com muita eficácia. Houve um momento, no pós-II Guerra, em que isso parecia ocorrer em toda parte e de todas as maneiras.Então, vieram as grandes desilusões. Os Estados onde os movimentos anti-sistêmicos chegaram ao poder, de uma ou de outra maneira, estiveram na prática muito distantes daquilo que as forças populares esperavam deles. E a irreversibilidade destes regimes mostrou-se outra ilusão. No início dos anos 90, todo o triunfalismo da esquerda mundial tinha sido varrido – e substituído por uma letargia generalizada, freqüentemente uma sensação de fracasso. Porém como sabemos, o sentimento de vitória da direita evaporou-se igualmente – de modo ainda mais espetacular quando afundou a aposta dos neoconservadores, que apostavam numa permanente dominação imperial norte-americana. Da rebelião zapatista em 1994 aos protestos bem-sucedidos que inviabilizaram a reunião da OMC em Seattle, em 1999, e à fundação do Fórum Social Mundial (FSM), em 2001, em Porto Alegre, uma esquerda reacesa e transformada emergiu na cena mundial.Vivemos num ambiente mundial caótico e é difícil enxergar com clareza. É mais ou menos como tentar seguir adiante numa grande tempestade de neve. Os que quiserem sobreviver precisam examinar tanto a bússola — para saber em que direção caminhar — quanto o terreno alguns centímetros à frente – para não despencar em algum precipício. A bússola guia nossos objetivos de médio prazo, indica o tipo de novo sistema mundial que queremos construir. Os centímetros à nossa frente são a política do mal menor. Se não nos preocuparmos com ambos, estaremos perdidos. Debatamos o rumo da bússola, ignorando os Estados e os objetivos nacionais. Assumamos, porém compromissos com ambos no curto prazo, para evitar os abismos. Desse modo, teremos uma chance de sobrevivência, uma chance de construir o outro mundo possível.

COMPROVADO: RIO AMAZONAS É O MAIOR DO MUNDO !

Foto Imagem da proximidade da Cidade de Manaus, Confluência dos Rios Negro e Solimões, Formando o Rio Amazonas, Brasil.
Em meio às freqüentes notícias de devastação de florestas e conflitos envolvendo fazendeiros e indígenas, a Amazônia recebeu, afinal, uma notícia boa e de repercussão internacional em julho de 2008. Depois de 16 anos de pesquisas, cientistas do Inpe, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, informaram que o rio Amazonas é o mais extenso do mundo, superando o Nilo, no Egito, em 140 quilômetros.Durante muitas décadas, os livros de geografia informaram que o rio Amazonas, que nasce na Cordilheira dos Andes (Peru), tinha 6.400 km, contra 6.650 km do Nilo, um dos mais famosos e conhecidos rios do mundo.Depois de analisarem imagens de satélite e de uma pesquisa feita na cordilheira dos Andes, os cientistas do Inpe anunciaram que o Amazonas é bem maior - a diferença foi de 592 km, um pouco mais do que a distância entre São Paulo e Rio de Janeiro. Portanto, segundo o Inpe, o rio Amazonas possui, na realidade, uma extensão de 6.992 km.Para efeitos de comparação, os mesmos critérios utilizados na medição do Amazonas também foram utilizados no Nilo. O resultado revelou que o Nilo, rio que exerceu um papel preponderante no desenvolvimento do Antigo Egito, também é maior do que se supunha - possui 6.852 km, ante os 6.650 km publicados pelos livros de geografia e história. O Nilo atravessa três países do continente africano: Egito, Sudão e Uganda.

O trabalho desenvolvido pelos cientistas do Inpe já foi reconhecido por duas entidades sul-americanas: o Instituto Nacional Geográfico do Peru e a Agência Nacional de Águas. Ainda em 2008, o estudo será apresentado oficialmente à comunidade científica, durante o Simpósio Latino-Americano de Sensoriamento Remoto.O Inpe também vai enviar a conclusão dos estudos à Royal Geographical Society e à National Geographic Society, entidades responsáveis pela primeira medição dos rios Amazonas e Nilo.
CuriosidadesAlém de ser o mais extenso e o mais caudaloso rio do mundo, o Amazonas pode ser traduzido por outros grandes números: sua profundidade máxima é de 100 metros, o que equivale a um edifício de 33 andares. O volume de água que despeja no mar é de 200 mil metros cúbicos por segundo e o seu trecho de maior largura possui 50 km.Depois do Amazonas e do Nilo, os três maiores rios do mundo são o Yang-Tse, na
China, com 6.380 km, o Mississipi-Missouri, nos Estados Unidos, com 6.270 km e o Yenisei, na Rússia, com 5.550 km.As extensões dos três rios, dependendo de alguns livros, podem sofrer pequenas alterações, mas as posições no ranking permanecem inalteradas. Na outra ponta da lista, o rio Citarum, próximo a Jacarta, capital da Indonésia, é considerado pelos especialistas como o mais poluído do mundo. Na lista dos mais poluídos também consta o Tietê, que corta São Paulo. No entanto, a exemplo do que aconteceu com o governo da Inglaterra, que recuperou o rio Tâmisa e o transformou em atração turística, nos últimos anos o poder público de São Paulo vem investindo para melhorar as condições fluviais do Tietê.Além da poluição, os organismos internacionais também apontam três outros fatores que têm contribuído para a "morte" de muitos rios: as mudanças climáticas, o desenvolvimento e a retirada exagerada de água.
São FranciscoNo Brasil, um projeto polêmico envolvendo um rio está em execução. As obras de transposição do
rio São Francisco, que nasce na serra da Canastra, em Minas Gerais, e corta o Nordeste, numa extensão de 2.800 km, foram iniciadas, a um custo estimado de mais de R$ 3 bilhões.O projeto consiste na transferência de parte das águas do rio para abastecer pequenos rios e açudes da região que possuem déficit hídrico durante os períodos de estiagem. De acordo com os especialistas, os Estados mais beneficiados com a transposição são a Paraíba, o Rio Grande do Norte.