quinta-feira, 11 de setembro de 2008

BRASIGUAIOS FECHAM RODOVIA NO PARAGUAI !

O mapa acima mostra em destaque, onde brasileiros, ou os brasiguaois estão presentes.
Os brasiguaios são brasileiros (e seus descendentes) estabelecidos em território da República do Paraguai, em áreas fronteiriças com o Brasil, principalmente nas regiões chamadas Canindeyú e Alto Paraná, no sudeste do Paraguai. Os brasilguaios são em sua maioria agricultores de origem alemã italiana ou eslava, falam o idioma português. Estima-se em 350 mil a população de brasilguaios ou brasiguaios, outra forma como também são chamados.

História dos brasiguaios
No ano de 1943 não viviam mais do que 500 fazendeiros em todo o Paraguai. Entre 1950 e 1970 o percentual de brasileiros na população paraguaia permaneceu constante entre 3 e 4 por cento. A partir de 1970 começou a imigração maciça de brasileiros, a maioria do Estado do Paraná. O termo surgiu quando – com a construção da hidrelétrica de Itaipu – os agricultores que tiveram suas propriedades invadidas pelo espelho d'água da barragem receberam indenizações insuficientes para a compra de novas terras no Brasil. Optaram por deslocar-se ao vizinho Paraguai onde as terras eram cerca de 8 vezes mais baratas. Além disso, no ano de 1967, o governo paraguaio abolira lei que proibia a compra por estrangeiros de terras na faixa de 150 km de suas fronteiras. O nome originou da mistura de brasileiros + paraguaios = Brasiguaios Fator adicional a estimular a emigração a partir do Paraná foi a crescente mecanização da produção de soja naquele Estado, que resultou na concentração de extensas áreas de plantio na posse de grandes empresas. Os pequenos agricultores brasileiros buscaram então as terras mais baratas do outro lado da fronteira.

Hostilidades

A presença desses "brasiguaios", além de levar um surto de crescimento econômico à região, provocou um sentimento nacionalista e até xenófobo entre seus relutantes anfitriões. A situação foi assunto de ampla reportagem no jornal americano The New York Times, cujo interesse pelo Mercosul cresceu após as pressões do governo de George W.Bush para antecipar a criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).
Os paraguaios, segundo o jornal, reclamam que a identidade nacional nas províncias da fronteira está se diluindo por causa da predominância dos estrangeiros que falam sua própria língua, usam sua própria
moeda, hasteam sua própria bandeira e são os donos das melhores terras. Outra queixa é que seus filhos crescem falando português como segunda língua, em vez do guarani. "Temos que proteger nossa identidade ou estaremos perdidos como nação nessa onda de globalização e Mercosul", diz Adilio Ramírez López, diretor de uma escola local.
Outra fonte de atrito é a questão
racial, uma vez que a maioria dos brasiguaios têm pele clara e feições européias enquanto os paraguaios são de origem hispano-guarani. Transmissões de rádio em guarani exortam os camponeses sem terra a atacarem os brasileiros, incendiando suas casas ou invadindo suas lojas, o que levou a imprensa brasileira a falar sobre limpeza étnica. As queixas dos brasiguaios são a discriminação contra seus filhos nas escolas locais e a intimidação das autoridades da imigração, já que grande parte deles nunca recebeu documentos de identidade paraguaios. Ao mesmo tempo, os brasiguaios nascidos no Paraguai não conseguem ter documentos brasileiros, o que impede algumas famílias cansadas da hostilidade de voltar ao Brasil.
Um
censo da Igreja Católica feito há quase 20 anos estimava que o número de brasiguaios era de 300 mil, cerca de 10% da população paraguaia na época. Hoje, podem chegar a 400 mil, mas esses dados são incompletos devido ao número de clandestinos. Em San Alberto de Mbaracayú, cerca de 80% dos 23 mil habitantes são descendentes de brasileiros e, votando em bloco, conseguiram eleger um dos seus, Romildo Maia de Souza, como prefeito. Maia diz que a solução para o problema virá à medida que as pessoas aprendam a conviver entre si.

NOTÍCIAS SOBRE O TEMA

Brasileiros donos de terras no Paraguai, conhecidos como brasiguaios, participaram ontem do bloqueio de uma estrada no distrito de Mariscal López, em protesto contra as ocupações de sem-terra na região que já duram dois meses. Segundo informou o jornal paraguaio “Ultima Hora”, manifestantes brasileiros e paraguaios ficaram durante todo o dia na rodovia, conhecida como Rota 7, a 37 quilômetros da fronteira com o Brasil.
A notícia é do jornal O Globo, 11-09-2008.
Eles exigem o cumprimento de uma ordem judicial de reintegração de posse das propriedades tomadas pelos invasores, emitida pela Justiça no dia 29 de agosto mas que até agora não foi cumprida pelas autoridades policiais.
Problema afeta ao menos 80 famílias brasileiras O brasileiro Iselso Bortolini, que há 28 anos mora na região, e que tem dois filhos e um neto paraguaios, declarou que o conflito agrário faz de sua vida “um tormento diário”. Segundo ele, o protesto tem como objetivo alertar as autoridades para a questão.
— Não agüentamos mais essa situação injusta. Temos o reconhecimento da Justiça mas a polícia não se importa e parece estar do lado dos invasores — disse ele.
Desde ontem, dezenas de tratores estão estacionados nos acostamentos da rodovia, que foi fechada várias vezes durante todo dia. A polícia não prendeu manifestantes e não há relatos de confrontos.
Segundo o governo regional de Mariscal López, o conflito com os camponeses afeta cerca de 600 famílias de proprietários, que possuem 2.500 hectares ocupados pelos invasores.
Entre elas se encontram pelo menos 80 famílias brasiguaias, que fazem parte da colônia Santa Teresa. Os produtores alegam viver nessas terras há mais de 30 anos e possuir todos os documentos que os qualificam como proprietários.

2 comentários:

glaucia disse...

Nossa eu vivi la,de 1970 a 1980, meu pai desbravou essa Colonia tmb,,,e como muitos brasileiros, com garra e fé...lutaram e ajudaram a desenvolver aquele pedaço do mundo... e pelo que sei muito mudou com a garra dos Colonos Brasileiros que nunca foram valorizados pelos paraguayos,,,

O Lanpião do Ne disse...

O que faz que tudo aconteça contra nossos Irmãos que vivem no paraguai sofra tamto é a inercia do nosso governo brasileiro,que tudo vê e nada faz pelos''Brasiguaios''se fosse um pais sério como outros paisses USA,França,Alemanha,Japão,Inglaterra e etc...duvido que aconteceriam tais fatos,más como aqui é o pais do faz de conta onde só inpera a corrupção,e quem é ladrão é aplaudido de péo que vcs acham que irão fazer por nossos irmãos?